.relógio

.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.aqui e agora

hit counters

.Site Meter

Terça-feira, 12 de Agosto de 2008

Não há pontos finais em histórias inacabadas...

 

(imagem tirada da net)

 

Antes mesmo de te procurar, julgava a minha paixão por ti totalmente apagada e diluída em memórias simples e sem força, bem ao jeito de uma borracha de lápis que apaga o carvão, mas o vinco do traço permanece subtil. Assim julguei ter apagado os meus sentimentos.

 

Quis pôr-me á prova ao rever-te, num momento que daria um longo capítulo da minha vida por encerrado. Seria a etapa final de um caminho demorado e inconstante. Com um pequeno fio de mágoa ainda a guiar as minhas palavras e gestos, fui ao teu encontro. Mostrei-te uma pessoa que nunca conheceste. Tentei manter distância emocional, enquanto nos púnhamos a par da vida um do outro nos últimos três anos. Três anos sem nos vermos, sem nos falarmos, depois de um abraço num dia de chuva, um abraço que eu sabia ser uma despedida mesmo sem mo teres dito… eu senti-o. Passámos o passado a limpo. Explicaram-se frases que ficaram a meio. Dissemos o que tinha ficado por dizer desde então.

 

Decidimos tentar ser amigos, começar um novo capítulo. Começámos a sair os dois, tomar café, beber um copo. Convidavas-me para jantar, víamos um filme, ouvíamos música, cantávamos, riamos. A confiança ia crescendo. Os momentos juntos eram cada vez mais frequentes. Partilhámos pensamentos, sentimentos, fizemos confidências. Demo-nos a conhecer de novo. Encantámo-nos de novo…

 

Hoje estou aqui sentada a escrever e a sentir que tudo voou outra vez. Não sei se é certo pôr lado a lado ambas as histórias… Os momentos foram diferentes, os contextos também… a história foi contada de outra maneira. O que é certo é que os personagens foram os mesmos e os desfechos muito semelhantes. Sinto que estou perto de arrumar este livro na estante, mas ainda não tive coragem suficiente de o tirar da mesa-de-cabeceira. Ainda olho para ele muitas vezes. Ainda o abro de vez em quando, enquanto vir reticências no final de cada frase. Porque um dia tive a “feliz” ideia de dizer que "não há pontos finais em histórias inacabadas"… 

 

 

sinto-me: assim
música: Creed - "My Sacrifice"

by anamar às 02:49

link do post | comentar | favorito

9 comentários:
De Paulo Sempre a 12 de Agosto de 2008 às 03:11
Interessante!!!


De anamar a 12 de Agosto de 2008 às 03:18
Interessante é uma palavra muito vaga... :) O interesse pode surgir por muitas razões... Mas obrigado pelo comentário! ;)


De Paulo Sempre a 12 de Agosto de 2008 às 17:38
"não há pontos finais em histórias inacabadas"…

Há histórias que não têm fim...Histórias onde os maiores protagonistas não estão fisicamente presentes mas, ainda assim, estão presentes a toda a hora...
Histórias que nos torturam, despedaçam, "sacodem"...mas, ainda assim...nós, teimosamente «sangrando», alimentamos a esperança remota de um qualquer arco-íris... que faça recomeçar o ultimo capitulo... da "doentia" história...
Afinal, dizem, que a esperança é a última a perecer...
Até sempre
Paulo


De anamar a 12 de Agosto de 2008 às 23:55
Volta sempre :)


De Tixa a 15 de Agosto de 2008 às 17:37
ola

nunca deve haver pontos finais na nossa vida ou em qualquer assunto porque o ponto final é o fim e na vida o único fim é a morte nunca há um ponto final sem ser este...

desculpa a palavra "morte" mas foi só para dizer que nao existem pontos finais na vida mas sim muitas reticências...

um abraço


De catarina a 16 de Agosto de 2008 às 18:28
Olá...obrigado pelo teu comentario e pela força que me deste...eu só te queria explicar que não estou nos melhores momentos da minha vida...dou-me mal com o meu pai,acabei a pouco tempo com o rapaz que amo...mas mesmo assim continuo a ter forças para tentar lutar...não sei onde as vou buscar ou onde as encontro mas sei que cada vez tenho mais força e mais vontade de ser feliz...hoje não o sou...porque a única pessoa que me compreendia maguou-me imenso...mas a vida é mesmo assim...á momentos bons e momentos maus nada é perfeito e é a errar que vamos aprendendo...! Beijo grande***


De cruz a 19 de Agosto de 2008 às 11:30
eu estive aki =) gostei


De darkbook a 19 de Agosto de 2008 às 18:34
Como te entendo...E como revi a minha vida no teu post...De verdade, por momentos pareceu-me ser tudo o que queria escrever...Como tu, não quero pôr ponto final numa história inacabada.
Beijinho


De Mariana a 2 de Março de 2009 às 21:31
Nem sempre isto é verdade . E por vezes somos nós que colocamos o ponto final com acções erradas.. O ponto final não quer dizer propriamente o fim.. Apenas uma mudança por vezes.. Um paragrafo seria certamnte pior..


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.Fases da Lua

CURRENT MOON

.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds