.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

Quarta-feira, 10 de Setembro de 2008

Nem gelados, nem beijos...

 

(imagem tirada da net)

 

E aqui estou eu, com a torre diante dos meus olhos, ícone de uma cidade onde o vento sussurra o verbo beijar aos ouvidos mais atentos. Aqui estou eu, sentada nesta varanda onde os sós vêm fingir-se acompanhados de si mesmos, onde os pares vêm saborear um beijo entre uma colher de gelado e a outra. E aqui estou eu, sem gelados nem beijos… fingindo que não me sinto só. Ao mesmo tempo tento habituar-me a estar assim…

 

Olho em volta e reparo que não sou a única numa mesa para dois com uma cadeira desocupada, não sou a única que finge esperar por quem não vem, ou simplesmente a fixar o olhar nas luzes amareladas desta cidade romântica, onde o romance se perdeu antes de chegar a esta mesa.

 

Olho o telemóvel pela décima vez. O visor permanece igual, com cinco minutos de diferença desde a última vez que olhei. Mas que espero eu que ele me diga? Que confirme que é sozinha que vou passar mais esta noite de um Verão quase apagado? Por vezes olho para ele e imagino-o como uma bola de cristal, capaz de me revelar a qualquer momento um final feliz, neste meu conto de fadas… Mas logo em seguida chamo-me tola. Sou uma tola que paira entre ilusões, realidades coloridas, e algumas sombras disfarçadas. Sou uma tola que ainda acredita que as coisas podem acontecer de repente, com um simples estalar de dedos, como nos filmes.

 

Estou cansada de melodramas, mas são a única coisa que me sai neste momento, são a única coisa que ainda alimenta a minha criatividade, se é que se pode chamar criativa, uma pessoa que debita vezes sem conta as mesmas histórias, jogando com as palavras, mudando apenas os cenários, mantendo sempre o mesmo personagem, padecente de um destino nem cruel nem benévolo, apelas inerte.

 

 

 

sinto-me:
música: Staind - "Everything Changes"
tags:

by anamar às 20:22

link do post | comentar | favorito

3 comentários:
De ElFurriel a 10 de Setembro de 2008 às 23:16
O que é a criatividade senão demonstrar que vês além daquilo que chamam realidade. Que sabes iludir-te!

Quanto ao resto. Há sempre uma solução.

Gostei deste cantinho antes de o saber teu. Gosto ainda mais agora que sei que é.

Cumps.
El Furriel


De I see... a 12 de Setembro de 2008 às 01:43
Beijinho Grande


De pingodemel a 12 de Setembro de 2008 às 10:29
olá

sentir-se só no meio da multidão é horrivel ... mas quando existem sentimentos bons dentro de nós nunca estamos sozinhos...
beijinho e bom fim de semana


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds