.relógio

.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.aqui e agora

hit counters
Segunda-feira, 27 de Outubro de 2008

Encontrei-te...

Não há nada melhor do que um AMOR de Inverno!!!

 

 

sinto-me:

by anamar às 17:56

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sábado, 11 de Outubro de 2008

...continuando uma história a 4 mãos...

 

(imagem tirada da net)

 

Aquela voz soava-lhe a música naquela noite. Como tinham sido longos aqueles últimos segundos de espera. Foi tempo bastante para que a eternidade se deixasse desenhar nos ponteiros do relógio. Finalmente ouvia a sua voz, ténue, doce, meiga… como da primeira vez que sentiu o sabor das suas palavras. Ainda que de uma forma dissimulada, deixavam transparecer uma névoa de desejo, de um bem-querer recém-nascido, para além do corpo, da mente, um desejo de estar mais perto, mais junto.

 

Tudo o que pronunciavam eram fusões quase perfeitas entre a realidade e o sonho, eram passados e desejos. Quando ela falava os olhos dele queriam demais selar-se-lhe nos lábios, ainda que só no pensamento. Quando ele falava, do resto do mundo, nada mais ficava além do silêncio, nada mais restava além daquela voz inebriante.

 

Estavam ambos sem chão. Tão cheios de medos e de incertezas, mas ao mesmo tempo, já tão cheios de sentimentos rebeldes a fervilhar-lhes no peito. Tudo lhes parecia demasiado romântico e utópico para ser real, porque nem o mais fantasioso dos sonhos lhes tinha mostrado tão doce ilusão.

 

 

sinto-me:
música: Des'ree - "Kissing You"

by anamar às 22:47

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 9 de Outubro de 2008

Estava escrito...

 

(imagem tirada da net)

 

Eram dez da noite. O relógio parecia tiquetaquear lento demais para a ansiedade que sentia no peito. Não era nada que já não estivesse acostumada, mas o motivo de tal nervozinho é que era novo. Também a intensidade lhe era desconhecida. Estava habituada a sentimentos mais vorazes, de tirar o fôlego e o sono. Desta vez era diferente. Era algo surpreendentemente suave e subtil, mas que ainda assim lhe acelerava a pulsação. O telefone estava mudo, demasiadamente mudo. Ele tinha ficado de ligar precisamente àquela hora.

 

Tinham-se conhecido no parque. Caminhando na mesma direcção, o acaso fez com que parassem frente a frente, e sem saberem muito bem porquê, assim ficaram por breves instantes, olhando apenas um para o outro. Uma estranha sensação percorreu-lhes o corpo. Não se sentiam estranhos, parecia que já se tinham cruzado, noutro tempo, noutro lugar. Nenhum deles o disse, mas ambos o sentiram e o viram escrito no olhar. Ambos caminhavam sem rumo definido, até àquele instante, mas o momento fez questão de lhes mostrar que em mais lado nenhum deveriam estar senão ali. Surgiu o primeiro olá. Os lábios dela logo lhe responderam timidamente. Afinal estava a ir contra a regra mais básica, que logo cedo se ensina a uma criança, mas que naquele momento tinha perdido qualquer força ou razão lógica. Não o sentia como um estranho. Outras forças a moviam, outras que nem ela discernia, muito menos compreendia.

 

Ficaram a conversar horas a fio a partir daquele momento, a partir daquele estranho encontro. Tudo parecia fazer parte de um plano há muito desenhado… bem guardado em segredo, até ao momento em que o vento os soprou até ali. Tudo era suposto... tudo estava escrito.

 

 

P.S: Este texto tem um propósito muito especial. Em primeiro lugar, acaba por ser um pouco a continuação do último que escrevi. Em segundo lugar quero pedir desculpa se, por mero "acaso" (que foi propositado ), houver nele alguma semelhança com o último escrito pelo meu amigo Furriel, mas a ideia aqui foi conseguir juntar um pouco de mim, da minha criatividade, a um pouco da dele. Por isso Furriel, também te deixo aqui um desafio muito especial, o de continuares esta história, com a tua deliciosa imaginação. Espero que aceites!

 

 

sinto-me:
música: A Fine Frenzy - "Ashes and Wine"

by anamar às 14:57

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 8 de Outubro de 2008

Uma manhã de sábado

 

(imagem tirada da net)

 

Era dia de ir ao mercado. Era sábado e ela gostava de ir bem cedinho, para fugir à confusão, apanhar as frutas mais frescas e as flores mais bonitas. Gostava de ter a casa sempre cheia de flores, para compensar o silêncio e o vazio de gente. Pelo menos as cores davam alguma vida àquele espaço. Por entre gerberas rosa-fúxia, tulipas amarelas e margaridas, ela fingia suportar toda aquela ausência de passos pela casa. Era manhã cedinho e o sol começava a entrar pelas frestas da janela. Os passarinhos, já os ouvia há umas horas. Esses, madrugadores, de certo já tinham meio dia de trabalho feito.

 

Deu duas espreguiçadelas valentes e enfiou os pés nos chinelos. Tomou um duche e, antes de sair, pegou numa folha branca de papel, numa caneta e escreveu… “Um dia que passeie à beira do rio, vou sentar-me no chão, de pés descalços. Vou pegar num caderno em branco e escrever-te um romance. Vou escrever o inicio e deixar o desfecho em aberto… para ti, para tu inventares comigo a nossa história, digna de um livro. Vou acender lamparinas de azeite e velas perfumadas. Vou criar o ambiente ideal para que o sonho se torne… história.”

 

Escrever era o maior prazer que ainda tinha. Pelo menos no papel podia sonhar e ser o que quisesse, imaginar como é ser feliz… e não se sentir tão só…

sinto-me:

by anamar às 19:59

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Terça-feira, 7 de Outubro de 2008

Eras tu... e eu...

 

(imagem tirada da net)

 

Eras tu sentado na cadeira do quarto, cabeça baixa e um olhar gelado posto nas mãos. Essas, cerradas, de ossos bem salientes num duelo interior entre a raiva e o conformismo. Apesar de tudo, ainda guardas uma esperança secreta num futuro mais leve, mais doce, que um dia sonhaste mas que não há meio de chegar. Um futuro no qual já nem depositas grande esperança, mas que ainda é o mais afortunado dos que consideras possíveis.

 

Era eu deitada na cama, no final da tarde, enroscada em mim mesma, conformada em ter de recriar um presente diferente do que imaginei, depois de ter percebido que o que imaginei é cada vez mais distante.

 

Éramos ambos a desejar o mesmo em segredo, sem coragem de o dizer, nem no papel mais maltratado, prestes a ser jogado fora, preferindo o silêncio, para não arriscar cair em tentações. Era cada um de nós a pensar no esquecimento do outro e a ficar cada vez mais dormente por dentro. Éramos os dois a deixar o tempo decidir por nós lavando as mãos de culpas, apertando os dedos em arrependimentos ocultos… ainda...

 

Éramos dois tolos a julgar ter feito a melhor escolha. Éramos… e ainda somos…

 

 

sinto-me:
música: Damien Rice - "Cold Water"

by anamar às 20:17

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.Fases da Lua

CURRENT MOON

.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds