.relógio

.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.aqui e agora

hit counters
Domingo, 28 de Junho de 2009

Take me back... "Josephine"

 

(imagem tirada da net)

 

          Pelas saudades que sinto daqueles momentos, no início, quando tudo brilhava... Agora dou por mim a procurar pequeninos pontos de luz no meio de um nevoeiro denso de incertezas. O vidro não quebra... a espera é longa. Se calhar não tão longa como parece, mas ainda assim inquietante. Ainda não percebi qual é o meu trilho. Por vezes penso se estarei a ver assim tão mal que não enxergue o que é suposto. Queria apenas trazer de volta "a Josephine", ou descobrir de vez se é mesmo ela que me faz falta. E se não for, descobrir o que realmente me faz falta, e correr atrás...
 
 

 

Take me back Josephine
To that cold and dark December
I am missing someone but I don't know who
Now I'm standing alone and I'm trying to remember
Sometimes I wonder how I ever started loving you

Noontime wind can you blow
For me one mroe time
And take me on back to the start
Where the midnight moon shines so bright
Nearly pulled us up to Heaven
By the strings of our heart

Take me back Josephine
To that cold and dark December
I am missing someone but I don't know who
Now I'm standing alone and I'm trying to remember
Sometimes I wonder how I ever started loving you

Morning sun shine on me
Come light inside my window
And rest on my brow
Kiss my eyes when I sleep
And carry me back home
If my dreams will allow

Take me back Josephine
To that cold and dark December
I am missing someone but I don't know who
Now I'm standing alone and I'm trying to remember
Sometimes I wonder how I ever started loving you

Take me back Josephine
To that cold and dark December
I am missing someone but I don't know who
Now I'm standing alone and I'm trying to remember
Sometimes I wonder how I ever started loving you
Someone help me understand why I'm still loving you


by anamar às 18:53

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 3 de Junho de 2009

Sinto o que escrevo... escrevo o que sinto.


(imagem tirada da net)

 

Quando olho para tudo o que escrevi até hoje, reparo numa característica predominante. Quase todos os textos tocam assuntos extremamente pessoais, assuntos que directa ou indirectamente me são muito próximos. No entanto, gostava de começar a tentar contrariar de vez em quando essa tendência. Mas pergunto-me… a mim, ainda tão inexperiente neste mundo da escrita, como escrever sobre algo que não sinto, que não vivi?

 

 Podia voltar a tentar criar histórias, com personagens, enredos, mas a imaginação ainda não está suficientemente liberta para recomeçar nesses trilhos. Além disso, mesmo nas histórias, reflicto demais a minha imagem.

 

Podia também procurar duplicar-me, criar um segundo eu, e questionar-me a mim mesma, argumentar contra e a favor de mim. Talvez aprendesse alguma coisa com isso. Talvez chegasse a algumas conclusões. No entanto, voltamos ao mesmo.

 

No fundo podia tanta coisa, mas começo a achar muito complicado distanciar o que sinto do que escrevo. Talvez não seja mesmo suposto fazê-lo.

 

Já se faz tarde. Tenho de ir dormir… dormir sobre o assunto, amadurecer ideias…

 

 

 

sinto-me:
música: Lúcia Moniz Feat Nuno Bettencourt (Extreme) - Try Again

by anamar às 01:47

link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 1 de Junho de 2009

Deste lado do vidro...

 


(imagem tirada da net)

 

 

Estás tão perto e sinto tanto a tua ausência, sinto tanto a tua falta. Parece que cada um de nós está de um lado de um vidro. Ambos nos vemos na perfeição, mas quando tentamos que as nossas mãos se toquem nada acontece, nada se sente além de uma superfície lisa, sem uma textura que transmita vida, sem temperatura, sem movimento… Vêem-se uma em frente à outra as nossas mãos, como se estivessem unidas, mas o vidro está no meio.

Por vezes tentamos falar, mas o entendimento ou tarda ou não chega. É como se ambos soubéssemos que ele existe, mas que vem percorrendo um caminho que é longo. No fundo somos nós que caminhamos ao seu encontro, mas nem sempre é fácil mantermo-nos certos dos passos que damos. Por vezes parece que recuo em vez de avançar. Ambos estamos conscientes que nos vai custar chegar a esse ponto de equilíbrio. O vidro é espesso…

 

 


by anamar às 14:59

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.Fases da Lua

CURRENT MOON

.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds