.relógio

.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.aqui e agora

hit counters
Segunda-feira, 5 de Abril de 2010

Falsa expectativa

(imagem tirada da net)

 

O meu problema, definitivamente, é ter tempo demais para pensar...

Dá tempo suficiente para perceber as desilusões que os outros nos causam. Dá tempo suficiente para criar a expectativa e perceber que, definitivamente, ela não vai ser correspondida. Será que o problema está em mim? Ou será que está naquele que cria essa mesma expectativa para depois não a levar a cabo?

Ultimamente parece que penso sempre no mesmo, e parece que as mesmas situações se repetem vezes demais para não me fazer pensar que algo de errado se passa de verdade, comigo ou com quem quer que seja o outro protagonista.

Sinceramente às vezes apetece-me partir a loiça toda, muito provavelmente porque não consigo dizer no momento aquilo que me fazem sentir. Acho que tenho receio de escolher mal as palavras no calor do momento. O problema é que depois não consigo esfriar as ideias, tendo a "aquecê-las" mais ainda, e faço precisamente aquilo que não se deve fazer... acumulo.

Este já é um problema antigo, o de criar falsas expectativas em relação às pessoas. Pensei que já o tinha contornado, mas agora percebi que apenas controlo parte dele. Parece que existem dois níveis de falsa expectativa, uma um bocadinho mais grave do que a outra. Uma é criada por nós próprios, pela nossa cabeça, de dentro para fora. A outra tem origem exterior, parte de alguém que interage connosco. Julgo ter aprendido a controlar a primeira, afinal, esta depende só e apenas de mim. A segunda, parece que ultimamente anda empenhada em mostrar-me do que é capaz, e quem sabe, como "sobreviver" a ela.


by anamar às 20:08

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.Fases da Lua

CURRENT MOON

.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds