.relógio

.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.aqui e agora

hit counters
Quarta-feira, 16 de Fevereiro de 2011

Olhar atento

(imagem retirada da net)

 

Como uma flor que desperta pela manhã com o primeiro raio de sol, que deixa cair a última gota de orvalho, eu vou despertando com o tempo que o tempo demora a passar. O tempo é lento, não se vê. Mas se olhares fixamente, sem desviar o olhar para outras coisas, para outras flores, talvez consigas ter a percepção da sua existência. Se assim não fizeres, a flor vai parecer sempre igual. A não ser que só voltes a olhá-la, pelo anoitecer. Aí muito tempo já terá passado, e nada permanecerá igual. Nem a flor será a mesma, nem os teus olhos verão da mesma forma...


by anamar às 20:08

link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 14 de Fevereiro de 2011

Qualquer coisa de bom...

 

(imagem retirada da net)

 

Sento-me a ouvir a chuva cair… Cai forte lá fora… firme e segura.

 

Penso que hoje podia ser um dia para ficar triste, ou revoltar-me, ou até ficar indiferente, passiva, e não colocar nada de mim neste dia. Mas não, não foi isso que eu escolhi. Hoje foi um dia de decisões subtis mas importantes. Hoje decidi caminhar para a minha liberdade.

 

Aquilo que vou dizer pode não parecer motivo de orgulho ao primeiro olhar, mas foi um passo dos maiores que já dei na minha direcção. Hoje pus um ponto final definitivo a uma (suposta) amizade. Uma relação que há muito não me dava nada de bom, ainda que eu tentasse ver nela algo de bom. Mas tantas vezes se leva com a porta na cara, que um dia é preciso ter a coragem de dizer basta. O meu limite foi o do respeito próprio. Há coisas que se ouvem que, depois de toleradas a primeira vez, perdemos completamente o direito de as repudiar. Permitir que alguém nos desrespeite, e estar consciente disso, é desrespeitarmo-nos ainda mais a nós próprios do que o outro. E eu hoje disse “Basta!”. Ninguém que me trata como lixo merece o meu respeito, porque o respeito, assim como a amizade e a confiança, é algo que se conquista. A gratuitidade deste sentimento não dura além dos primeiros segundos do primeiro contacto entre duas pessoas.

 

Mas o meu primeiro passo foi bem mais longe que isto. O dia não podia ter ficado apenas pelo fim de algo, mas também pelo início. E como todos os inícios, o que vem a seguir é sempre uma incógnita, uma incerteza, que depende mais de nós do que à primeira vista possa parecer. Que depende demais dos nossos sorrisos para que corra bem. Que depende de sermos cada vez mais nós próprios, para que nenhuma das partes se confunda e se iluda, porque a desilusão é cruel. Espalha-se como veneno nas veias. E dói, que nem queimadura por debaixo da pele.

 

E é sentada neste recanto, que me imagino caminhando descalça lá fora, com a chuva apaziguando as minhas queimaduras… as minhas cicatrizes…


by anamar às 22:47

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Domingo, 13 de Fevereiro de 2011

Sombras

(imagem retirada da net)

 

Não escrevo mais como antes, pois tudo o que era motivo agora é bloqueio. Não escrevo mais como antes, com aquelas músicas de fundo, que emanavam uma frequência certeira para o meu coração, que fazia libertar os meus anjos… agora sinto apenas os meus demónios, surdos.

 

Eles não pedem música, só o silêncio. Um silêncio tenebroso, sombrio, cerrado. Esse silêncio que eu tanto temia. Esse silêncio que agora está em todo o lado, se calhar com o propósito de que eu o enfrente, de que eu aprenda a suportá-lo, de que eu o aceite como parte de mim. A verdade é que ele faz mesmo parte de mim. E eu tenho medo dele, medo que ele se apodere do meu espaço e do meu tempo, e não deixe mais tempo nem espaço para a melodia que soava antes, de fora para dentro de mim, e do meu cerne para as letras unidas, e para os momentos que delas nasciam...

 

 

 


by anamar às 15:55

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.Fases da Lua

CURRENT MOON

.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds