.relógio

.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.aqui e agora

hit counters
Terça-feira, 18 de Dezembro de 2012

A liberdade de estar só

 


(fonte: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=493247934027584&set=a.178220578863656.40192.178136118872102&type=3&theater)

 

Estou só mas não me sinto só. Sinto-me livre. Livre para fazer o que quero, quando quero.

 

Sentada no banco do meu carro, com a cidade inteira diante de mim, sinto-me intensamente perto de mim, da minha calma. A chuva lá fora entende a minha alma numa galopada de liberdade que também eu ouço dentro de mim.

 

Entendo que não posso esperar o sol se o dia é de chuva. Devo saborear a chuva. Ouvi-la, senti-la, com a liberdade de que ela é feita, sem esperar que ela vá embora só porque é o sol que me apetece. Também ele vai e volta quando quer, faz o que quer quando quer. E como sol, foi aqui que eu hoje vim parar, numa vontade de, debaixo desta chuva, sentir a minha liberdade.


by anamar às 19:13

link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2012

Afinal era café



(fonte: http://magazine.zankyou.com/nl/wp-content/uploads/2012/05/Birdsong-Photography-e1337869459197.jpg)

 

Quantas vezes fazemos uma coisa pensando que estamos a fazer outra?

 

Pois é. Eu consigo lembrar-me de umas quantas que, tenho a certeza, não me aconteceram só a mim.

 

Começa tudo quando somos crianças. Embirramos que não gostamos de um determinado legume e fazemos birra sempre que lhe “botamos o olho” ou lhe sentimos o cheiro. É nessas alturas que as mães, mentes iluminadas, começam a servir a sopinha passada, precisamente com o raio do nabo que se detesta. E nós comemos… felizes e contentes!

 

Depois de crescidos, a quantos de nós nunca aconteceu ir ao supermercado com alguém, fixar os olhos numa prateleira, perder algum tempo a tentar ler as letras pequeninas inscritas no rótulo do chá e, precisamente no momento em que falamos para a pessoa que está ao nosso lado é que descobrimos que já não é a nossa mãe ou amiga que ali está?! Damos por nós a falar com um estranho que, certamente, fica a pensar que somos tolinhos.

 

Mas a melhor (ou pior) de todas é, sem dúvida, ir ao café, pedir um descafeinado e, no meio de uma série de outros pedidos que o empregado tenta memorizar, confundir tudo. Quando volta para servir a mesa, ele efetivamente traz uma chávena, mas como as chávenas não falam, nem existe a possibilidade de nos apercebermos caso se engane. Até começarmos a beber, a sentir o efeito… O coração acelerado, a perna agitada e a vontade de esganar o empregado, porque afinal era café!

 


by anamar às 18:35

link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 10 de Dezembro de 2012

Enquanto esperava...


(fonte: http://www.blisstree.com/files/2008/10/hot_chocolate.jpg)

 

Aquecia as mãos num copo de chocolate quente. Mantinha o olhar baixo. Entre o relógio e a carta das bebidas, que ainda permanecia na mesa, rodava a colher no chocolate como se no fundo do copo fosse descobrir alguma resposta. Sentada na última mesa a contar da porta, notava-se que esperava por alguém. O joelho agitado insistia em ser mais teimoso. Para ela os minutos pareciam horas e a ansiedade não fazia jeito de se ir embora. Por outro lado, aquele por quem ela esperava não havia maneira de entrar pela porta. Ela estava claramente nervosa sem saber muito bem porquê, porque lá bem no fundo ela sabia que tudo ia correr bem e que não poderia estar em mais lugar nenhum senão ali. Porque aquele era o momento certo e o lugar certo.


by anamar às 01:23

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.Fases da Lua

CURRENT MOON

.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds