.relógio

.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.aqui e agora

hit counters
Quarta-feira, 9 de Abril de 2014

Alucinação - Parte II

(fonte: https://www.flickr.com/photos/54602205@N00/2320157196)

 

O dia estava de sol, mas um sol tão forte que nem dava vontade de brincar na rua àquela hora. Tinha ouvido dizer que os soldados às vezes pagavam algumas moedas em troca de pequenos favores. Lavar alguns tachos, lavar roupa, engraxar botas… Eu era muito pequeno, mas naquele dia senti-me desafiado a saber se também seria capaz de arranjar algumas moedas. Enchi o peito de coragem e fiz-me à estrada em direção ao acampamento mais próximo.

 

O caminho atravessava uma aldeia de onde já só sobravam destroços. Costumava passar depressa para não sentir os cheiros e não guardar memórias, mas naquele dia algo me atrasou o passo. Pensei ter ouvido uma voz no meio daquele silêncio deserto. O meu coração acelerou o próprio passo, mas olhei em volta e não vi ninguém. Voltei a pôr os olhos no caminho.

 

Naquela imagem havia agora algo de diferente. Deparei-me com um brilho estranho vindo do que pareciam ser os restos de uma casa na encosta, ao meu lado direito. Aproximei-me. Numa pequena fresta vi uma pedra brilhante de tom esverdeado. Brilhava como que refletindo os raios de sol. Intrigou-me como teria ali chegado e como ninguém se apercebera dela antes. Estendi a mão na direção daquele objeto aparentemente valioso e colocando-o no bolso voltei ao caminho.

 

- Pedro... - Novamente se ouviu uma voz, mas agora parecia bem mais próxima. Tão próxima que me voltei bruscamente, julgando ter alguém imediatamente atrás de mim. Mas não havia lá ninguém. Estava a começar a ficar intrigado e assustado. Então percebi que uma luz intensa saía agora do meu bolso, uma luz tão forte que feria o olhar. Peguei na pedra e eis que começou a falar:

 

- Pedro, não te assustes. Tu encontraste-me. Há muito que nenhumas mãos me tocavam mas tu encontraste-me. 

 

(...)


by anamar às 15:58

link do post | comentar | favorito

Alucinação - Parte I

(fonte: http://lounge.obviousmag.org/universo_paralelo/2014/04/05/kiev4.jpeg)

 

Tinha acabado de deitar o pequeno João na cama do quarto de visitas e dirigi-me para o meu quarto. Entrei e fechei a porta. Caminhei em paços cansados na direção do sofá e sentei-me, deixando cair o corpo pesado, e onde por instantes permiti que os meus olhos se fechassem e me levassem para longe.

 

De repente ouvi um enorme estrondo que me arrancou violentamente do sofá. Parecia ter vindo do andar de baixo da casa. Talvez da rua. Aquele ruído era-me familiar. Ouvi de novo o que pareceu ser uma explosão. O som repetiu-se. E de novo. Oh não! Estava claro! casa estava a ser bombardeada!

 

O medo apoderou-se de mim e foi como se tivesse voltado quarenta anos atrás. Senti-me imobilizado e impotente. Ao mesmo tempo só pensava que tinha de tirar os miúdos dali. Naquela altura já as crianças estariam em pânico, escondidas de baixo das suas camas e sem entender o que se passava. Corri ao quarto do pequeno João.

 

Apressei-me a entrar. Das frestas da janela percebiam-se enormes clarões alaranjados. As explosões não paravam. Abeirei-me da cama e vi que o João permanecia deitado, como se dormisse. Como podia aquela criança não ter acordado com tamanho ruído?! E se na verdade não estivesse a dormir mas sim inconsciente? Tinha de fazer alguma coisa.

 

- João! Acorda! Acorda João! - Abanei-o num gesto desesperado pedindo que despertasse.

 

- Avô! Avô! O que aconteceu?

- Anda filho, temos de fugir. Anda depressa!

- Para onde, avô? O que aconteceu?

- Não ouves? Temos de fugir!

- O quê? Ouvir o quê? De que estás a falar? Não estou a entender nada!


by anamar às 15:49

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.Fases da Lua

CURRENT MOON

.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds