.relógio

.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.aqui e agora

hit counters

.Site Meter

Sábado, 4 de Abril de 2009

Melancolia...


 

 

Voltou a melancolia… sinto-a aproximar-se com passadas firmes mas silenciosas, como quem não se quer deixar perceber. Mas quando finalmente está perto, arromba a porta com toda a força, irrompe por ela adentro, e como quem se julga bem-vinda, instala-se como se fosse dona e senhora de mim. Há muito que se mantinha distante. Mas agora voltou. Não sei se por achar que me falta alguma coisa... se por não sentir a falta de nada. Agora está aqui, perto de mim, como um cão de guarda, à espera de um deslize para se alimentar, à espera de uma quebra para me roubar as forças. Agora está aqui. Não a chamei, mas agora que veio sabe-me bem. Sentimento contraditório. Tanto a quero longe como acho que preciso dela perto. É ela que me traz a vontade de escrever, a paixão, a intensidade, a dor, a raiva, a gana. É ela que me alimenta, a mim que escrevo. É ela que me espicaça. Sem ela sinto-me como uma fonte seca de ideias, de histórias, dos relatos de uma dimensão abstracta. Sem ela, não sinto a sua falta, mas do que ela me proporciona. É uma simbiose parasita, uma necessidade desnecessária. O certo é que se não fosse ela, estaria fechada em mim mesma, com ideias secas como folhas no meio de um chão de Outono…

 

 

 

 

sinto-me:
música: Make you feel my love - Adele

by anamar às 19:40

link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De LF a 5 de Abril de 2009 às 15:55
Há algo de único na relação que qualquer "escritor" mantém e desenvolve com a sua própria escrita. A maior parte vai buscar a sua inspiração aos momentos de maior indefinição, de maior sofrimento. Não sei se será esse o teu caso, mas a melancolia sempre esteve presente no pensamento e na arte de muitos artistas das palavras.

E falar de melancolia é falar de um dos sentimentos mais ambíguos que existem, pois há boa e má melancolia. Mas toda ela serve de mote para um texto carregado de simbolismo, de intensidade e de sensações.

Espero que a "tua" não tenha vindo para ficar. Aliás, sei que não vai ficar, pois não há mal que dure sempre. Espero também que a tua escrita possa fluir a partir de novos e variados sentimentos.

Boa continuação.

LF


De anamar a 5 de Abril de 2009 às 17:40
Em primeiro lugar, obrigado pelo comentário.
Em segundo, não sei se foi propositado ou se foi por simples obra do acaso, teres vindo aqui comentar este meu cantinho... uma coisa é certa, mundo é uma aldeia, e tu, pelo que sei, um grande amigo do meu irmão! :)
Beijinhos e boa continuação!


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.Fases da Lua

CURRENT MOON

.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds