.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

Terça-feira, 21 de Abril de 2009

Ser ou estar… O verbo da solidão!

 

 

 (imagem tirada da net)

 
Quantos tipos de solidão existem?
 

Nunca ninguém responde plenamente a esta questão. Quanto muito, vão deixando pelo caminho formas de percebermos por nós, como quem deixa mensagens cifradas num jogo de pistas. Resta-nos apenas segui-las e decifrá-las.

 

Há também quem simplesmente prefira permanecer ignorante neste assunto, ou mesmo fugir dele. Ironicamente, são essas pessoas que mais depressa descobrem a resposta. Porque será?!

 

Mas é quando me curvo sobre os meus pensamentos que me apercebo dos tipos de solidão que já passaram por mim.

 

Há a solidão de momento. Mais fraca. Aquela que de repente se sente quando, depois de duas semanas hiperactivas, paramos dois minutos. Então o corpo pára… a cabeça pára… e só sentimos aquele ligeiro agridoce no peito, como se todas as coisas se tivessem afastado de nós num repentino magnetismo invertido. Alguns preferem deixar-se degustar o doce da pausa, outros preferem sentir apenas o acre da distância das coisas.

 

Depois há aquelas solidões mais agudas e mais duradouras. Há a solidão de amores. Há a solidão de amigos. Ou porque eles estão geograficamente distantes, ou emocionalmente distantes, ou simplesmente porque não se tem a percepção da sua existência.

 

Há a solidão voluntária. Há a solidão inevitável. Há a solidão estratégica. Há o estar-se só sem se sentir só. Há o sentir-se profundamente só rodeado de gente. Há o estar-se só e o ser-se só. Há o fechar os olhos e não sentir ninguém por perto, ninguém à escuta dos pensamentos... nem nós mesmos. Esta, sem dúvida, deve ser a pior forma de solidão…

 

 

 

sinto-me: encaixotada
música: Love Theme - Romeo and Juliet Soundtrack - Michael Nyman
tags:

by anamar às 23:28

link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De daplanicie a 5 de Maio de 2009 às 21:06
Uma bela reflexão com a qual não poderia estar mais de acordo! A solidão nunca é boa companheira e o melhor que podemos fazer é evitá-la.
Beijinho


De pingodemel a 29 de Maio de 2009 às 12:36
... para mim a pior solidão é aquela que sentimos no meio da multidão...

bom fim de semana


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds