.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

Sábado, 30 de Maio de 2009

Aqui e agora...

 

(imagem tirada da net)

 

Não sei mais sobre o que escrever. Antes, bastava deitar a cabeça na almofada, fechar os olhos, e logo tinha dezenas de ideias que queria passar para o papel. Umas por mero desabafo, outras como reflexão, outras até por ousadia, mas havia sempre algo a levitar na minha mente impaciente por passar ao ecrã do PC. Mas ultimamente não sai nada. Simplesmente nada. Por vezes ainda me sento em frente ao teclado, olho para ele, mas parece que as mãos nem querem mexer. Paralisei a minha escrita. Petrifiquei a minha mente. As poucas ideias que surgem logo e dissipam.

O desejo de escrever ainda existe e é imensamente forte, mas não se concretiza. Não consigo passar a palavras o que sinto. Talvez porque não sinta. Talvez porque o que sinto não é suficientemente forte. Talvez porque já não me reconheça no que sinto. Acho que me perdi. No meio de tantas prioridades houve coisas que tiveram de ir ficando para trás. Não que assim o quisesse, mas porque assim teve de ser. No entanto não deixou de ser uma escolha. Por vezes fazemos escolhas e só depois percebemos a razão. Agora percebo que foi simplesmente por medo. Medo de me deixar embrenhar num “passatempo” e me perder do objectivo que realmente me importa nesta fase da minha vida. Não podia arriscar falhar por um “passatempo”. E escrevo “passatempo” porque nunca passou disso mesmo, mas com a nuance de ser uma grande paixão, algo que me dá um imenso prazer, algo que me ajuda a crescer, algo que me faz pensar… algo que me faz sentir mais feliz. Mas eu fiz uma escolha, e agora estou a pagar por isso. Parece que enferrujei. Por outro lado ainda bem que só enferrujei. É possível limpar a ferrugem, é possível recuperar. É preciso coragem para voltar a tentar. E é isso que estou a fazer, aqui e agora.

 

 

 

sinto-me: bloqueada
tags:

by anamar às 21:17

link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De Tixa a 31 de Maio de 2009 às 16:25
ola

isso também me tem acontecido nos últimos dias penso naquilo que quero escrever mas depois quando chego à frente do computador nao me sai nada :s

beijinhos


De anamar a 1 de Junho de 2009 às 22:33
É uma grande chatice... E eu que pensava que não vivia sem escrever. Mas comecei a forçar-me a escrever um pouco todos os dias, ou quase todos. Porque preciso... para me sentir viva, para ganhar alegria para partilhar com os outros, senão sou só mais uma, como tantas outras...
Obrigado pelo(s) comentário(s)!


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds