.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

Sábado, 8 de Agosto de 2009

Buscando luz...

 

 

(imagem tirada da net)

 

Sinto uma confusão de ideias tremenda dentro de mim. Um sentimento de perda. Não direi exactamente antecipado, porque já não te sinto comigo há uns tempos, falta apenas o golpe final, a tesourada na corda. Ao mesmo tempo tudo me impulsiona a não baixar os braços, a dar o melhor de mim, a tentar fazer de cada momento, contigo ou sem ti, um momento de alegria, um momento de luz.

 

Tento arranjar forças para conseguir iluminar os meus momentos, aqueles em que estou sozinha, em que estou com outras almas além de ti. Tento iluminar-me junto delas pois tudo na vida são puras trocas de energia, e quanto mais se dá mais se recebe. Tento recordar-me desta verdade por tempos esquecida dentro de mim.

 

Esqueci. E como tudo o que se esquece, custa a enraizar de novo. É preciso esforço para que as nossas verdades esquecidas nos entrem de novo na pele até às veias e comecem a circular de novo dentro de nós. É preciso persistência para se ser o que se quer ser, para nos melhorarmos a cada dia que passa.

 

Estagnei, por uns tempos parei e não evoluí mais. Pode nem ser esta a verdade mas é o que sinto. Agora que dei conta, é tempo de voltar ao caminho certo, ao caminho que me leva para mais perto de mim, para mais perto da minha luz.

 

Ontem á noite chorava. Chorava de uma tristeza automática, de uma tristeza vulgarmente triste. Chorava por coisas que tive e já não tenho. Chorava porque me deixei levar por um coração escurecido, adormecido na dor da perda. Chorava por esses motivos que toda a gente chora quando ama da maneira errada, quando ama para ter e não para dar… chorava. Hoje acordei num dia novo, com resquícios de um adormecer atribulado, mas com uma vontade de me redireccionar, de tomar outra postura perante aquilo que me atormenta, o medo de te perder. O medo de te deixar ir e que não voltes mais.

 

Deixei-te entrar na minha vida de uma forma que não permiti a mais ninguém. Só a hipótese de ter de te deixar ir me assombra. Mas é uma hipótese. Tento perceber se a mais fácil ou a mais complexa, a mais correcta ou o erro mais crasso. Aposto que nem tu ainda saber a resposta… 

 

 


by anamar às 19:12

link do post | comentar | favorito

6 comentários:
De bostadebovideos a 8 de Agosto de 2009 às 20:59
Olá Anamar .
Belo texto de uma alma que deve orientar-se no sentido do ser. Falas em redireccionar e eu digo que deves redimensionar-te, seres além do que pensas ser, com as tuas experiências que não deram certo e as muitas de que guardas um sabor doce.
Pensar que cada pedaço que te arrancaram, que deixaste partir com quem talvez não o merecesse, é um pedaço na falta do qual um novo renascerá para te alimentar de luz, uma luz mais pura.
Imagino o teu rosto choroso, tão belo, há medida que dele se evadem na composição das lágrimas, os males que afectaram o teu coração adocicado.
O teu olhar agora é límpido , o tempo vai sarando feridas e contradições que sempre nos fazem enveredar por trilhos de ilusão. Acredito em ti mulher, sorri.
Beijinhos de amizade


De anamar a 8 de Agosto de 2009 às 23:21
Há coisas que ainda não aconteceram mas que, no nosso coração, já se sentem a milhas de distância... é tão triste e doloroso sentir um coração alegre ficar tão triste e só de repente... nem consigo dizer nada de jeito... Obrigado por comentares.


De bostadebovideos a 8 de Agosto de 2009 às 23:49
Anamar
Não esmoreças, minha amiga, não podemos travar o que tem de acontecer, não sabemos quem tece as teias que nos querem enredar, mas sabemos o que somos, quem somos, o que queremos ir sendo contra ventos fortes e marés contrárias, confia nos teus seis sentidos e sê a mulher que eu pressinto está pronta em ti para se evidenciar em toda a sua plenitude.
O tempo cicatriza todas as feridas e fortalece as nossas convicções.
Beijinhos de amizade


De gracices a 10 de Agosto de 2009 às 22:41
Às vezes, é na dor que descobrimos direcção. Às vezes, é na dor que (re)aprendemos a sorrir. Às vezes, e na dor que encontramos o amor. Gostei do blog. Decobri-o por acaso. Ou talvez não... Não acredito em acasos. Mas em sinais. Beijinhos, Graça


De Just me a 10 de Agosto de 2009 às 23:31
Prémio para ti no meu canto!

Beijo


De textos_sentidos a 16 de Agosto de 2009 às 19:20
Olá

Um texto tocante, intimista, ao mesmo tempo optimista e pessimista, revelador dos teu intimo em relação a alguem e em relação a ti mesma.
Queria convidar-te a ler e comentar o meu blog. Escrevo sobre vários assuntos e de uma certa forma dou-me a conhecer. Aparece.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds