.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

Segunda-feira, 24 de Agosto de 2009

Ironia...

 


(imagem tirada da net)


Hoje folheava um pequeno caderno onde por vezes começo por escrever uma série de coisas que depois não consigo terminar. Caderno esse que apenas me serve quando não tenho o computador por perto, ou quando simplesmente não me apetece sair do quarto para não ter de me cruzar subitamente com ninguém no corredor, para não terem de ver a minha cara. Folheava eu o meu caderno quando me deparo com uma frase que escrevi não há muito tempo, mais provavelmente há cerca de um ano, estimo eu pelo contexto, a única coisa que ainda me recordo. Dizia eu: “Cada vez mais me sinto distante de romances e paixões embriagantes. É bom sentir que resgatei um pouco de calma!” Tenho quase a certeza que foi pouco tempo depois de ter escrito isto que conheci o S. Curioso como a vida nos dá sempre o contrário do que achamos que devíamos ter. Ontem mesmo, antes de dormir, passei cerca de duas horas e meia da minha vida a ler mais umas dezenas de páginas de um livro delicioso que me acompanha há uns dias. E num desses capítulos a ideia fulcral era mesmo essa. A vida, Deus, as circunstâncias, o que lhe queiram chamar, há-de sempre encontrar uma forma de nos mostrar o quão pouco no conhecemos. Sempre que tomamos uma decisão grandiosa sobre o que precisamos de ser ou fazer, algo surge do nada que nos mostra exactamente o caminho oposto. E aqui estou eu, num momento impregnado de clichés de best-seller, a desejar a calma e paz de espírito que tinha quando escrevi aquela frase. Não sei se odeio a ironia mais do que a amo…


by anamar às 17:41

link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De bostadebovideos a 26 de Agosto de 2009 às 17:17
Anamar .
A ironia, quando não nos é dirigida é mais comestível, do que quando a sentimos à flor d pele, a não ser que estejamos já num estádio superior da nossa vivência , em que nos agrada ser o centro à volta e quem giram as situações mais positivas.
Presumo que és uma miúda gira e digo-te que adoro responder a ironias, despertam-me emoções diferentes e recordam-me sensualidades.
Beijo de amizade


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds