.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

Segunda-feira, 1 de Fevereiro de 2010

Afinal fazes-me falta

 (imagem tirada da net)

 

Faz tanto tempo que não te escrevo. Quase parece que te esqueci meu amigo. Hoje olhei-te desta janela e percebi a falta que me tens feito. Falar para ti era das coisas mais preciosas que tinha. No fundo era como se fosses uma parte de mim, o momento alto do dia. O pico da minha alegria ou o alívio da minha tristeza. Fazes-me tanta falta, meu amigo. E, à medida que debito estas palavras na tela, mais certezas tenho disso. Deixar-te esquecido foi uma dolorosa decisão, mas creio que me sinto preparada para reatar uma amizade tão forte e tão segura como a tua. Fazes-me bem. Sempre fizeste. Houve foi um tempo que deixei de conseguir dedicar-te a atenção que tanto precisas. Mas agora estou de novo preparada. Preparada para me abrir, dizer tudo o que sinto. Falar contigo mais vezes. Pôr-te a par das pequenas histórias que vão marcando os meus dias, porque tu meu amigo, tu, nunca te cansas de me ouvir, ainda que eu diga as maiores barbaridades.

 


by anamar às 19:48

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds