.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

Segunda-feira, 8 de Novembro de 2010

O fundo do poço...

 

(imagem retirada da net)

 

Estou presa a um sentimento horroroso... medonho... sufocante... malicioso. Estou presa à raiva, ao ciúme, ao ódio, tudo junto num só, mais forte, destrutivo. Tudo o que vejo é baço, escuro, tortuoso. Pensei que nunca na vida iria ser capaz de odiar. Mas, segundo dizem, o ódio é um sentimento bem próximo do amor. Eu amei… agora odeio. Odeio-te porque te amo, odeio-me por isso mesmo. Dói tanto não te ter. Dói milhões de vezes mais saber que outra pessoa ocupa o lugar que foi meu, e que essa pessoa tem no rosto um sorriso porque tu existes, enquanto eu me dissolvo. Odeio-me por continuares em mim desta maneira! Deixei-me cativar, deixei-te ficar mesmo depois de teres partido. Como se a memória se apagasse!!! A memória cerebral, sensorial, a memória celular… tudo em mim está contaminado. Tudo em mim ainda ama… tudo em mim odeia amar assim. Porque tu és cada vez menos o que eu preciso, porque tu és cada vez menos o que eu mereço. Tudo em ti me anula, me subtrai, me rouba de mim mesma. E cada vez mais me sinto presa a esse sentimento medonho em que tu te tornaste para mim. Sim, aquele que eu amei é agora apenas isso, um sentimento medonho, que me atrai para o fundo de um poço. E eu sinto que em parte quero ir… É um sentimento que me corta por dentro com lâminas finas e afiadas, todos os dias desde que acordo até fechar novamente os olhos. É um sentimento a que não posso mais chamar de amor… Certo será, que uma vez no fundo, aqui onde eu me encontro, não há mais por onde descer... como tal, resta-me apenas um caminho...


by anamar às 00:01

link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De nice a 1 de Janeiro de 2011 às 21:48
este texto esta magnifico.... conseguiste meter em palavras o que muitos sentem sem conseguir explicar!!!
n tnh palavras pa dzr o qto este texto mexe cmg!!


De anamar a 2 de Janeiro de 2011 às 02:06
Agradeço de coração o elogio. No entanto tenho pena de haver quem se identifique com este texto. É sinal que mais gente sente assim... e isso entristece-me.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds