.pedaços recentes

. Não há pontos finais em h...

. Viagem no teu pensamento

. Para ti… onde quer que es...

. Dois sonhos, dois destino...

. Who are you???

. Um pouco de céu...

. Silêncio...

. Chuva noturna...

. Um segundo primeiro beijo...

. Quase possível...

. A história de um perfume....

. "Não quero..."

. É para ti que ainda escre...

. As palavras que nunca te ...

. Eu só quis que soubesses ...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007


Quarta-feira, 14 de Maio de 2008

Um pouco de céu...

 

(imagem tirada da net)

 

Quero deixar a marca do que és para mim, do que quero guardar sempre de ti. Quero deixar escrito porque as palavras eternizam o que a memória pode esquecer. O tempo e as circunstâncias podem não estar a nosso favor, agora. Mas eu já te escolhi para morar no meu peito. Como uma galáxia que por algum motivo atrai a outra, e traça de antemão o desenho a que alguns chamam destino, fomos atraídos um para o outro ainda antes de o sabermos. Então chocámos. Chocámos porque assim já estava escrito, traçado. Sinto-o.

 

Sei que as minhas palavras não serão retrato fiel do que guardarei em mim. Sei apenas que é grande, que é luminoso, generoso. Sei apenas que és tu. Sei que está selado, lacrado, cimentado em mim. São emoções que desenham uma alma maior, que resgatam em mim aquilo que trago da eternidade, aquilo que trago da origem de mim mesma. O meu Eu mais nobre, mais puro.

 

Não vai ser o tempo nem o espaço que vão mudar o que já esta marcado, tatuado. Não vai ser o mundo a escrever aquilo que só nós podemos. E se não pode ser agora, se não tem de ser agora, saberei esperar. E mesmo se não tiver mais de ser, saberei aceitar. Mas se o que está traçado é que a tua vida e a minha se cruzem, por motivos que só o Universo saberá, no tempo e no espaço que for preciso, estou certa que o meu Eu saberá reconhecer.

 

Tudo o que temos pode parecer pouco, pequenos pedaços de céu que fomos fazendo. Doces momentos. Suaves, intensos, profundos. Mas quando somados são tanto, são tudo… São tudo porque quando aconteceram tudo o resto ficou pequeno, parecido com nada.

 

Seremos sempre como um arco-íris. Percorremos todas as cores. Juntamos umas, criamos outras… mas é no céu que alcançamos a plenitude e a força, no céu que se cria quando tudo parece estar distante, e no aqui e agora restamos apenas nós…

 

P.S.: Não há pontos finais em histórias inacabadas…

 

My Sunshine And My Rain - David Fonseca

sinto-me:
música: David Fonseca - My Sunshine and My Rain

by anamar às 21:10

link do post | comentar | favorito

Sábado, 26 de Abril de 2008

Silêncio...

(imagem tirada da net)

 

Por vezes não é preciso procurar as respostas, elas encarregar-se-ão de vir ao nosso encontro.

 

 

Dei por mim a ler um blog chamado "Confissões de uma mulher de 30". Uma a uma, começo a ver as últimas entradas. Então paro num texto intitulado "Se eu calar a voz...". Sem querer descubro nas palavras de uma desconhecida a resposta à minha fragilidade do momento.

 

 

Tenho falado contigo sem que me ouças, tenho-te escrito como se me lesses, tenho-te contado o que vai dentro do meu peito. No entanto, as palavras que escrevi, não chegarão aos teus olhos, pelo menos por enquanto. Dou por mim a pensar que, dizer-te tudo o que me passa pela cabeça, será demasiado imprudente. Não quero dizer coisas por dizer. Não quero dizer coisas em momentos errados. Não quero sobrecarregar-te com as minhas inseguranças. Mas elas estão cá e tenho de aprender a contorná-las. Só temo que, no tempo que demorar a vencê-las, tu te desiludas comigo.

 

 

Sei que, cedo ou tarde, as minhas respostas acabam sempre por surgir. Não tenho a certeza se esta encaixa na perfeição no momento, mas o que sinto cá dentro diz-me que está muito perto da realidade.

 

 

Eis que surge uma mulher, que escreveu também para alguém importante. Alguém com quem partilha intimidade,  sentimentos. Descreve momentos em que as palavras não predominam, em que o silêncio impera. Assim como tu, precisa de momentos de silêncio. Não que esteja triste, apenas não tem nada a dizer. Ou tem, mas não quer ou não precisa de o fazer. Precisa apenas de se deixar ser, permanecer. São momentos em que o pensamento voa longe, até onde a realidade é recriada à sua medida, sem deixar de o ser no entanto. Então diz-lhe que, quando assim for, não tema, não questione, que fique apenas com ela, de mãos entrelaçadas, porque há horas em que essas mãos são muito... outras ainda em que são tudo. Ou então que a abrace, para que a esperança de que ainda há histórias que acabam bem se renove. Acho esta mulher parecida contigo, não só nos silêncios, mas no que está para além deles.

 

 

Quero aprender a ficar perto, a partilhar o silêncio, esse mistério com o qual ainda não sei lidar. Talvez por estar demasiado habituada às palavras, porque as amo. Tu sabes o quanto gosto de falar… de escrever. Ensina-me a ver para lá dos teus silêncios, a amá-los como palavras sem escrita, palavras sem lábios…

sinto-me: Com esperança...
música: A tua...

by anamar às 00:41

link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 15 de Abril de 2008

Chuva noturna...

(imagem tirada da net)

 

Chove lá fora!
Em cada dia tu regas o meu peito como um jardim selvagem...
Tu, a núvem que passa...
Que não resiste e chora...
Que não se quer ir embora...

Então fica, permanece...
Fica o tempo que quiseres.
Deixa-te ficar em cada gota,
deixa-te cair... até me encontrares!

Deslizante, tocante, inebriante...

sinto-me:
música: o som da chuva
tags: ,

by anamar às 20:22

link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 9 de Abril de 2008

Um segundo primeiro beijo!

 

(imagem tirada da net)

 

Já não sei do que falávamos ao certo quando te contei do meu primeiro beijo.

 

Tinha os meus 15 anos. Era uma menina sonhadora. Como qualquer menina, já tinha imaginado como seria esse momento. A ingenuidade em mim era uma realidade que saltaria à vista de qualquer pessoa. Não eram uns 15 anos como os de hoje, em que os miúdos "sabem" tudo, e se não sabem é porque não querem. Eram uns 15 anos inocentes, formados por uma ânsia de momentos especiais, uma sede de paixões e amores, pela curiosidade de saber em que dia deixariam de ser apenas platónicos.

 

Um dia, um desses momentos surgiu. Sem planos, sem hora marcada. Um encantamento entre "crianças". Depois de uma adolescente declaração de amor, os lábios dele tocaram os meus. Mas nada do que eu sonhara surgiu. Já tinha ouvido de outras raparigas que o primeiro beijo nem sempre era o que se espera. Havia mesmo quem dissesse que era mesmo mau.

 

Estranhamente fui surpreendida por um desses... O rapaz que me desculpe (muito possivelmente hoje beijará muito melhor...) mas a desilusão tornou-se parte de um instante que deveria ter sido mágico. Não foram só uns lábios que se uniram, foi uma boca literalmente invadida por outra...  Tentei não dar importância.

 

Foi no momento que te contava isto que me interrompeste, olhaste para mim e disseste: "Merecias um primeiro beijo melhor!" Então deslizaste o teu rosto na minha direcção e os teus lábios tocarem os meus, num doce, leve e ternurento beijo. A suavidade do momento transportou-me no tempo até ao momento que tinha ficado apenas em sonhos. E então tu deste-me o meu segundo primeiro beijo!!!

 

 

sinto-me: Uma adolescente por um momento
música: "Bubbly"_Colbie Caillat
tags: ,

by anamar às 20:54

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 11 de Fevereiro de 2008

Quase possível...

 

(imagem tirada da net)

 

Hoje vi-te. Toquei a tua pele ao de leve. Senti o teu cheiro. Andei o resto do dia a sentir o teu cheiro… fico impregnada de ti, inebriada. Guardo o teu sorriso sob a luz brilhante do sol, luminoso, incandescente, cegante, tocante.

 

Um curto momento, com nada de especial ao olhar dos insensíveis. Mas tu sentiste essa energia que nos rodeou. Tu sentiste, e eu nem dei conta que tu a sentiste… Mas tu mostraste-me que ela ainda existe. Escondida, adormecida. Que de vez em quando nos traz memórias, nos mostra imagens de um futuro imaginário, quase possível…

 

 

sinto-me: Segura
música: Encostar na tua_Ana Carolina

by anamar às 00:54

link do post | comentar | favorito


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds