.relógio

.pedaços recentes

. Alucinação - Parte II

. Alucinação - Parte I

. Um par de sapatos - Parte...

. Um par de sapatos - Parte...

. Um elo invisível

. Efeito borboleta

. Às vezes o escuro basta

. Campanha de Incentivo à L...

. Simple things...

. Ir com calma...

. Cliché

. Anzol

. Closure

. As if it was always the f...

. A espera

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2014

. Março 2014

. Outubro 2013

. Julho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.aqui e agora

hit counters

.Site Meter

Terça-feira, 1 de Abril de 2014

Um par de sapatos - Parte II

 (fonte: https://encrypted-tbn1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSgS69m3QEV6-Errzzu8J2VScZB6BOKLitlZAg5AtYqF7zs4rsv)

 

Anoiteceu. E como todos os fins-de-semana passados com a casa cheia de miúdos a praguejas e a rir, peguei no mais pequeno ao colo, já adormecido no sofá, cansado de tanto brincar no jardim, e subi as escadas do casarão até um dos quartos de visitas. Adorava a casa cheia. Era demasiado espaço para não ser ocupado com gargalhadas juvenis. Pousei cuidadosamente o pequeno João na cama e pareceu-me vê-lo sorrir. A cabeça das crianças é um verdadeiro mistério, um mundo infinito de imaginação.

 

Entretanto, no sonho do João...

 

Cheguei ao final da rua onde finalmente se avistava uma pequena loja, meio que escondida num beco. Parecia um lugar velho e semiabandonado mas donde se vislumbravam alguns pontos de luz artificial através furos da cobertura interior do vidro. Olhei de novo para o papel confirmando o endereço. Parecia ser ali. Nada indicava que se tratasse de uma loja. Não havia sinalética e nem sequer o número da porta era bem visível. Aproximei-me e bati. Ninguém respondeu e quando bati de novo a porta pareceu ceder. Empurrei ligeiramente e chamei:

 

- Olá! Está alguém? Por favor! – Ninguém respondeu. Entrei. Havia uma espécie de balcão e uma série de prateleiras a toda a volta naquela pequena divisão, todas elas preenchidas de objectos que para uns não passariam de quinquilharia velha, mas que outros certamente veriam como verdadeiros tesouros. Era efetivamente aquele o lugar certo para começar procurar os sapatos do meu avô… Aqueles sapatos.

tags:

by anamar às 23:11

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.Fases da Lua

CURRENT MOON

.favorito

. A energia de um sorriso.....

. Línguas de fogo

. James Carrington - "Ache"

. Numa caixa de papelão

. Viagem no teu pensamento

.outros pedaços

blogs SAPO

.subscrever feeds